quarta-feira, março 04, 2009

Aprendendo com as dificuldades

Um visitante de Samba Online indaga: Gostaria de saber o motivo de a imprensa não ter saído em defesa do Império Serrano, já que todos falavam da permanência no Grupo Especial, inclusive torcedores de quase todas as outras agremiações. Foram três Estandartes de Ouro!”

É uma questão complexa para ser respondida. E partirei sempre do princípio de que é muito cômodo emitir comentários sobre o julgamento oficial sem levar em consideração de que ele é feito de quatro pontos diferentes, por pessoas diferentes, que analisam tecnicamente o mesmo assunto. Já o nosso ponto de observação é único e estamos analisando tudo, ao mesmo tempo. E quase sempre no calor da paixão. Deu para entender a diferença?

Também acho que o Império não merecia descer e aproveito a oportunidade para parabenizar o trabalho de Márcia Lávia e equipe. A suavidade de cores e formas tornaram o desfile bastante agradável de se ver. O Império ficou bem mais “leve”. E bonito.

Prefiro analisar a estratégia de reeditar um samba de sucesso e a reconstrução de um enredo lançado originalmente em 1976. Após enfrentar as agruras do Grupo de Acesso e sem obter patrocínio, a direção da Escola acreditava que o bônus oferecido pela reedição do samba ajudaria nas despesas de barracão; e que a qualidade do samba, além de garantir a nota máxima no quesito, sustentaria a  harmonia, a evolução e a bateria – o que, praticamente, consolidaria a permanência da Serrinha na elite do samba carioca.

O resultado, no entanto, foi diferente do esperado. O samba conseguiu as notas máximas, mas os quesitos de suporte não; nem os outros, que, infelizmente, receberam notas menores ainda. O projeto imperiano ruiu – e não discutirei aqui se foi justo ou não. Atenho-me apenas aos fatos.

Também não comentarei sobre a concessão de prêmios, pois mais valioso que o reconhecimento do público outro de tamanha legitimidade não haverá.

Ao Império Serrano ficará a certeza de que a renovação de lideranças e atitudes foi extremamente salutar; e de que outros obstáculos surgirão, mas será com a experiência extraída das dificuldades que a Escola reconstruirá a sua grandeza. Bola pra frente.

4 comentários:

Priscila disse...

É infelizmente as pessoas se acovardam e fazem como se não tivessem visto o que aconteceu. Tenho consciência de que o Império não fez um desfile pra voltar no sábado das campeãs, agora cair, é uma coisa muito diferente.Acho que muita coisa tem que mudar no jugalmento das escolas de samba, o capitalismo ultrapassou todos limites esse ano, assim como fizeram com o Salgueiro no desfile de 2007. Injustiça pura!!! Saudações Imperianas

Raphael disse...

Não vou falar do Império, até porque julgador não tem que falar nada, tem é que dar e justificar nota, levando em conta o que viu na avenida.
Quero falar é de Cláudio Vieira, um profundo conhecedor de escolas de samba, jornalista sério, competente, sensato. Quem gosta de carnaval e procura um comentário desapaixonado, honesto, não pode deixar de ler Cláudio Vieira.
Cláudio, receba o abraço do velho amigo e leitor de sempre Luiz Eduardo Rezende

Cláudio Vieira disse...

O leitor Rodrigo Magina enviou este comentário por email:
Boa tarde Cláudio
Parabéns pelo Blog.
Gostaria de desabafar o que estou sentindo depois assistir os desfile de 2009 e pedir uma opinião e um conselho se possível.
Tenho 26 anos e curto carnaval desde 1994, sou um verdadeiro maluco por carnaval, fazia maquetes de desfiles, desenhava desfiles e compunha sambas etc. passei minha infância vivendo o carnaval o ano inteiro. Mas confesso que nos últimos anos tenho ficado decepcionado com os rumos do carnaval do RJ. Os sambas não são tão bonitos como os dos inicio dos anos 90 (1991,1992,1993,1994), o samba da Porto da Pedra 2009 por exemplo é horroroso, não se faz mais sambas como os Estácio 92,93, Vila Isabel 93, Viradouro 91,92,93, Mangueira 91,92,93 e tantos outros. Outra coisa que está acabando com a graça dos desfiles é a aceleração dos sambas na avenida, ta insuportavelmente feio uma barulheira acelerada que me faz ter muita saudade de uma época nem tão distante assim como o inicio dos anos 90, onde os sambas não eram tão acelerados. Fico realmente muito triste pq não consigo viajar no carnaval para ficar vendo escolas de samba e ultimamente não tenho gostado de nada, principalmente do andamento dos sambas. Esse ano fui na segunda-feira para o setor 1, fui embora com 25 minutos da Portela, pois não gostei da águia amarela, parada estática, gosto da águia com movimentos como todo portelense, na verdade não gostei de nada, nem o Salgueiro me convenceu muito (pelo menos não premiaram novamente a mesmice insuportável da Beija-Flor), não agüento mais abre-alas dourados, carros acoplados, mini alegorias na comissão de frente. A Rosa Magalhães parece ter perdido a vontade de fazer carnaval para ganhar, eu assisto o mesmo carnaval da Rosa desde 1994. O Max Lopes decepcionou mais uma vez, acho que ele deve repensar aquelas alegorias na frente do abre alas. O Louzada absorveu tudo de chato que a Beija-flor vem fazendo com o carnaval do RJ, essa escola vem desde 1998 trazendo a mesma estética de carnaval, sem mudar o estilo de enredo pelo menos (Ora índio, ora áfrica), graças a Deus eles não ganharam mais uma vez com a mesmice costumeira. O Paulo Barros fez um bom desfile na Vila, mas acho que as alegorias humanas já não encantam mais, ele tem que saber dosar, usar em todas alegorias torna repetitivo e chato. O Renato Lage, fez um grande carnaval, mas nada além disso, não foi nenhuma maravilha, mas a criatividade do Renato Lage ficou clara na segunda alegoria (Carro do couro dos animais). Tenho muita saudade dos esquentas na Sapucaí, dos bons sambas e dos belos desfiles. A cada ano que passa fico mais desanimado e preocupado, pois fico na esperança de ver um desfile ao vivo com um samba cadenciado, com alegorias criativas etc. Será que isso vai mudar? Será que vamos voltar a ter sambas como Vila 88, Imperatriz 93 etc ?
Para encerrar, digo com profunda tristeza que o Carnaval do RJ está chato e repetitivo e o que é pior não vejo luz no fim do túnel.
Não quero parecer ranzinza, falo do fundo do coração de quem ama desfile de escola de samba.

Anônimo disse...

Eu estou batendo nesta mesma tela e vou continuar a bater acho que até o proximo carnaval. Eu ainda não entendi como a Porto da Pedra não recebeu notas mais baixas do que 9,7 em evolução, conjunto e harmonia. Acho que foi só eu mesmo que notei que atee os 66 minutos de desfile, apenas 3 carros da agremiaçnao haviam passado pelo segundo recuo de bateria. Vale lembrar que a escola desfilou com 8 carros e correu, literalmente, para terminar seu desfile antes dos 82 permitidos. Ainda não entendi como uma escola que corre não recebe uma nota mais baixa que 9,7. Vou esperar a justificativa dos jurados, porque ando achando mesmo que foi só eu que reparei isto